Pesquisa sobre a “Falta de educação para a saúde da mulher”

*Val Sátiro Oliveira

O dia 28 de maio, é instituído, como o Dia Internacional, da Luta para a Saúde da Mulher, porém a falta de educação em muitos aspectos da saúde e do bem-estar das mulheres ainda leva a equívocos e desinformação que podem prejudicar mulheres de todas as idades. De acordo com nossos estudos onde pesquisamos entre meados de 2020 (durante a pandemia) e início deste ano de 2021, mais de 30 empresas, com cerca de 3800 colaboradoras mulheres na faixa etária entre 17 e 50 anos sobre seus conhecimentos, atitudes e práticas em saúde , 40% das participantes em todas as faixas etárias estavam preocupadas com sua capacidade de conceber, mas 20% não sabiam que o envelhecimento tinha efeitos adversos na concepção. O mesmo estudo afirmou que mulheres de 18 a 24 anos de idade tinham menos conhecimento sobre concepção, ovulação e fertilidade do que mulheres mais velhas, no entanto, mulheres mais velhas acreditavam mais comumente em mitos populares e conceitos errôneos em torno da saúde da mulher alimentados por sua família, amigos e profissionais mal informados.

A lacuna na educação em saúde da mulher também é prevalente entre os profissionais médicos. Em um outro estudo descobrimos que residentes do quarto ano em programas de residência em obstetrícia e ginecologia relataram a necessidade de mais aprendizagem na fisiopatologia dos sintomas da menopausa (46%), terapia hormonal (54%), terapia não hormonal (69%), saúde óssea (54%) e doenças cardiovasculares (64%). E mais outro estudo relatou que um terço dos diretores do programa de residência admitiu que seus programas de residência não qualificariam os residentes para diagnosticar, tratar e aconselhar mulheres com incontinência, vaginite, violência doméstica, planejamento pré-concepcional ou controle de natalidade.

Outras divergências na educação em saúde da mulher são vistas por meio da separação dos cuidados entre obstetras ou profissionais de saúde e provedores de serviços básicos de saúde, em um estudo pontual, os provedores de saúde da mulher são o principal recurso para educação e informação sobre saúde de pacientes do sexo feminino; no entanto, esses provedores raramente se comunicam diretamente com médicos de atenção primária ou outros especialistas. Essa divisão não apenas reforça que a saúde reprodutiva e pélvica da mulher é algo separado, mas também cria uma dissociação e um desalinhamento potencial nas consultas de pacientes do sexo feminino. O atendimento em silos é problemático, pois leva a diagnósticos incorretos / episódicos ou tratamentos conflitantes, especialmente se os médicos em cada ponto de atendimento não tiverem acesso às mesmas informações sobre a saúde do paciente ou uma compreensão mais ampla das condições específicas das mulheres.

O efeito combinado de poucos recursos educacionais para mulheres e treinamento inadequado para os médicos que as tratam deixa as pacientes sem as informações de que precisam para administrar e manter sua saúde ao longo de suas vidas. Nesse cenário, as empresas de tecnologia de saúde feminina – muitas delas lideradas por mulheres que vivenciaram essas frustrações em primeira mão – estão criando suas próprias plataformas de saúde para fornecer recursos educacionais e soluções alternativas de saúde, este é o foco da INTERAÇÃO SAÚDE MULHER, buscar preencher esta lacuna no conhecimento, prevenção e promoção a saúde feminina .

Val Sátiro Oliveira – Founder – Interação Saúde Mulher – Conhecimento, Prevenção e Promoção na Saúde Feminina.Denunciar

Val Sátiro Oliveira – Founder – Interação Saúde Mulher

Leave Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *